Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Folha em Branco

Folha em Branco

Qui | 19.01.17

Falar de coisas Kawaii no Notícias Magazine

Pantapuff
Desta vez a Notícias Magazine pediu-me para falar um pouco sobre coisas Kawaii e qual o impacto das coisas fofas na sociedade actual. Como por vezes apagam os artigos mais antigos vou fazer um maravilhoso copy paste para ficar eternamente aqui no estaminé :pIlustração: Filipa Viana/Who A fofura e a sobrevivência da espécie: tudo ligadoA sociedade está cada vez mais apegada às coisas fofas, como um vício.E se nem todos gostamos exatamente das mesmas, nem tentamos todos preencher (...)
Sab | 21.02.15

FantasPorto procura histórias

Pantapuff
FantasPorto (Fantas para os amigos) é um festival internacional de cinema que decorre no Porto de 24 de Fevereiro a 8 de Março. Este ano foi criada uma nova iniciativa, a Bolsa de guiões. Esta tem como objectivo criar uma ponte entre cineastas e autores para eventuais argumentos para filmes (de curta e longa metragem), ou séries televisivas.A lista desta primeira edição é composta por um total de 20 trabalhos sendo que um dos quais é o meu conto 
Ter | 01.10.13

Euro Steam Con (Porto 2013) - youtube

Pantapuff
E cá estou eu de volta a casa ainda a recuperar da ida ao Porto mas cheia de vontade de trabalhar...Foi um dia muito bem passado na companhia de amigos, conhecidos da net que conheci pessoalmente pela primeira vez e cupcakes maravilhosos *-* Tal como aconteceu no ano passado a Clockwork Portugal criou um live stream do evento via youtube e que podem ver agora caso tenham perdido: Agradeço uma vez mais à organização o convite para falar um pouco sobre o que tenho lido do género.
Qui | 11.10.12

Ponto final

Pantapuff
Com um olhar brilhante das lágrimas presas, para que ninguém veja a dor que carrega no peito, olha pela janela.Um suspiro e deixa o cansaço apoderar-se de si. Pelo espelho, nota as olheiras vincadas na face pálida a que nem o blush consegue dar cor.Dias e semanas a esperar o que não vem para se sentar sozinha num autocarro que cumpre a sua enésima viajem do dia.Fecha os olhos e deixa de ver o maldito reflexo que a atormenta o pensamento e suspira o ponto final... 
Qui | 06.09.12

Um momento

Pantapuff
Pele alva sem o que a cubra além da ocasional pressão que sente sobre ela.Os suspiros roubados por beijos prometidos, tornam-se sons eróticos de sonhos acordados.Empurra e muda a posição, a renda que toca a pele fecha os olhos de quem a sente e se curva para receber um toque repleto de sensações esquecidas noutros tempos. Tempos de momentos roubados ao dia frenético por entre papelada sem fim.Um beijo, uma carícia, uma noite perdida entre muitas outras desejadas.Abrir os olhos e (...)
Sex | 31.08.12

Opinião acerca do "Passagens"

Pantapuff
Um pouco tarde, mas no meio de tanta coisa alguma me haveria de passar ao lado. O Vitor Frazão leu oPassagense deixou a sua opinião no Goodreads. Uma maior variedade de temas é uma óbvia vantagem de “Passagens” em relação ao trabalho anterior, “Diário de uma Pagã”. Gostei particularmente do poema “Banco vazio”. link a review aqui.
Seg | 30.07.12

Sofrer por amor

Pantapuff
Como será...Sentir uma dor no peito e perder a a respiração. Ensopar a almofada com lágrimas e perder o apetite. Perder noites de sono a pensar em alguém a reviver memórias e inventar outras. Ver um futuro estilhaçado e uma vida perdida. Esquecer a vontade de viver e não sair do conforto proporcionado pelos cobertores que nada protegem a não ser do frio natural. Contar o passar dos segundos, minutos, horas, dias... para o regresso que nunca chegará.... ser capaz de sair e (...)
Sex | 20.07.12

Espelho partido

Pantapuff
Abrir a porta e ver um espelho onde tudo era diferente. Passar a mão pela imagem de um casal apaixonado. Uma realidade alternativa, dois seres familiares e ao mesmo tempo estranhos à minha memória. Levar uma mão ao peito onde uma dor saudosista bate forte ao ver a troca de olhares e fechar a porta com força fazendo-se ouvir o som de vidro a estalar. Abrir outra porta e assistir a uma outra realidade que obriga a criar dor para não se estar dormente entre vidas vividas e memórias (...)