Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Folha em Branco

Folha em Branco

Dom | 12.05.19

Não quero ser mãe

Recentemente tenho visto cada vez mais nas revistas e na televisão destaque ao facto de haver mulheres que não querem ser mães como se fosse algo novo e alien na sociedade... 

jon-flobrant-38755-unsplash.jpg

 

“É da idade.”

“Quando fores mais velha isso passa-te.”

“Quando casares isso muda.”

São inúmeras as frases que me atiram ano após ano quando digo que não quero ser mãe. Como se ser o desejo de ser mãe fosse algo natural para todas as mulheres. Novidade. Não é. a

E qual é o problema?

Adoro crianças. Quem me conhece sabe que tenho sobrinhos, afilhada e jeito para lidar com a pequenada. É fácil entrar nas brincadeiras e perceber do que gostam. Fui catequista e tinha os grupos mais novinhos, aqueles pequenitos acabadinhos de entrar para a escola.

Mas o facto de gostar de crianças não quer dizer que queira uma minha, seja na minha barriga, seja adoptada.

São muitos os fins-de-semana que a minha sobrinha passa comigo. Saímos, vamos a eventos, vemos filmes até “tarde”, vamos às compras, lanchamos, … gosto muito desses momentos. Dou-lhe na cabeça quando se porta mal ou começa a baixar as notas ou não quer estudar por preguiça, mas também a mimo. Já mudei muitas fraldas e dei de comer…

“ahh mas é por isso que devias ser mãe!”

Também aprecio o meu espaço. Poder ir à casa-de-banho sozinha, não acordar a meio da noite para dar o biberão ou simplesmente não ter a responsabilidade de ter um ser em miniatura a dar-me cabelos brancos durante o resto da minha vida. Let’s be honest, o trabalho de uma mãe não acaba quando os filhos crescem… é coisa para a vida e nem conta para a reforma…

Aquilo que muitas mulheres descrevem como a coisa mais linda do mundo, a melhor experiência de sempre é para mim um verdadeiro filme de terror. Expelir um ser vivo, com o peso de um peru de natal, pelo buraco mais pequeno do mundo não me parece confortável... Ou quando há aquelas descrições maravilhosas que ficaram com aquele bocado do corpo rasgado, ou tiveram de fazer uma cesariana... Epá para cicatrizes já me bastam as que já tenho do apêndice e operações as mãos e joelhos, não preciso de mais uma para a lista...

Quando era pequena também brincava as mamãs. Era normal... Sou menina, são brincadeiras que me ensinavam e que via as outras meninas fazer... Mas desde cedo que não tenho aquele desejo de ter um ser a crescer dentro de mim, ou adoptar um. 

Não sei o dia de amanhã, obviamente, acidentes acontecem e nada na vida é certo. Mas também existem opções para quem não quer ser mãe... Ninguém é obrigado a trazer ao mundo uma criança indesejada para depois não ser criada com amor... 

Tenho quase 30 anos e sempre disse "não quero filhos". E aparentemente a família esquece-se desse facto. Aliás, no aniversário da minha sobrinha, gerou-se uma pequena troca de bitaites entre os amigos do meu irmão e da minha cunhada sobre o facto de muitos dizerem que não querem ser pais e depois mudam de ideias, ou arrependem-se. Apenas uma alminha de boa memória disse "eu nunca a ouvi dizer que quer ser mãe". 

Como eles a sociedade em geral pensa que todas as mulheres estão automaticamente programadas para crescer, encontrar um homem, reproduzir-se e serem felizes sendo mães (não excluindo ter trabalho, casa,....). 

Os meus pais já perceberam que da minha parte o que vão ter mais parecido com um neto é o meu coelho de estimação e apoiam a minha decisão. No entanto toda a gente à minha volta parece não compreender. Hoje em dia parece ser mais fácil aceitar alguém que quer mudar de sexo que uma mulher que não quer ter filhos. Isso não significa que sou menos mulher que a minha amiga que quer ser mãe. Apenas significa que as únicas propinas que pago na minha vida são as dos meus estudos. 

 

Foto: Photo by Jon Flobrant on Unsplash

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.