Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Folha em Branco

Folha em Branco

Sex | 31.08.12

Opinião acerca do "Passagens"

Pantapuff
Um pouco tarde, mas no meio de tanta coisa alguma me haveria de passar ao lado. O Vitor Frazão leu oPassagense deixou a sua opinião no Goodreads. Uma maior variedade de temas é uma óbvia vantagem de “Passagens” em relação ao trabalho anterior, “Diário de uma Pagã”. Gostei particularmente do poema “Banco vazio”. link a review aqui.
Seg | 30.07.12

Sofrer por amor

Pantapuff
Como será... Sentir uma dor no peito e perder a a respiração. Ensopar a almofada com lágrimas e perder o apetite. Perder noites de sono a pensar em alguém a reviver memórias e inventar outras. Ver um futuro estilhaçado e uma vida perdida. Esquecer a vontade de viver e não sair do conforto proporcionado pelos cobertores que nada protegem a não ser do frio natural. Contar o passar dos segundos, minutos, horas, dias... para o regresso que nunca chegará. ... ser capaz de sair e (...)
Sex | 20.07.12

Espelho partido

Pantapuff
Abrir a porta e ver um espelho onde tudo era diferente. Passar a mão pela imagem de um casal apaixonado. Uma realidade alternativa, dois seres familiares e ao mesmo tempo estranhos à minha memória. Levar uma mão ao peito onde uma dor saudosista bate forte ao ver a troca de olhares e fechar a porta com força fazendo-se ouvir o som de vidro a estalar. Abrir outra porta e assistir a uma outra realidade que obriga a criar dor para não se estar dormente entre vidas vividas e memórias (...)
Qui | 19.07.12

Ferrari

Pantapuff
Sabia que tinha de parar, tudo à minha volta parecia estar desfocado. Ouvia o que pareciam ser buzinas. Sabia que tinha de parar, mas precisava de continuar, parar seria difícil, se não mesmo impossível, virei à direita. As vozes gritavam atrás de mim em desespero, mas sabia que não conseguia parar. Virei à esquerda e parei quando cheguei ao muro. Um ferrari sem travões não é fácil de parar... dedicado ao pessoal da Fendamel
Qua | 18.07.12

Saudade

Pantapuff
You whisper it with your heart and mine replies the same sad song about the Portuguese word you can’t pronounce, the ancient meaning you can’t translate. And yet, my sailor, you whisper it to me. Tears of joy and sighs of pain cross the oceans to meet its pair. The parted souls, fragile yet strong wait for their bodies to meet in a slow passionate kiss so the Portuguese word will cease to exist. The ancient now new became what I feel for you. It’s more than a simple “I miss (...)
Sab | 14.07.12

Dance

Pantapuff
Dance with me this night Feel with me this music that brings us together. Two bodies with the beat, two hearts with blood, two souls wanting it all. Dance me this night 'cause all I want to do is dance you...
Qui | 12.07.12

A minha serra

Pantapuff
Desço até ao vale, até à sua mais profunda parte e olho para cima. Vejo serras verdejantes, de um verde puro e casto sem toques de civilização. Um céu azul que olha por todos manchado apenas por algumas nuvens brancas como a neve que aqui cai em forma de granizo nos frios dias de inverno. Serra portuguesa que encantas meu olhar e me fazes escrever sempre que te visito Suspiro com saudades sempre que estou longe e sorrio quando aqui estou, a ver-te sempre imaculada e majestosa, (...)
Ter | 10.07.12

Professor

Pantapuff
Que pensas tu que me ensinas? As ideias do prazer? Meu querido então vens tarde não sou o doce que julgas que vais encontrar. Senhor professor das artes nada na noite é segredo para esta aluna. As rendas e o cetim que se moldam ao corpo e nada escondem também nada mostram completamente o mistério que criam são como canções de sereias cantadas para iludir os homens. Os homens que tão simples mentes têm Se deixam levar pela ilusão e mistério do corpo de uma mulher (...)
Seg | 09.07.12

Música

Pantapuff
Ajuda a tirar a sensação interminável que a música trouxe aos nossos que quentes e movendo-se incessantemente perdem-se vibrando com o som do movimento. Ajuda a temperatura a subir e as peças que se perdem ao subir as escadas as paredes apoiam para ninguém cair nas fantasias reais que prendem para não fugir ao som da música a que dançamos esta noite