Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Folha em Branco

Folha em Branco

Qua | 13.11.13

Literatura séria - uma questão de conceitos

Às vezes tropeço assim numa crónica humurística do P3 e, por norma, começo a rir. Não sei quais são os critérios daquelas pessoas para escolher o convidado mas devem estar relacionadas com futuras carreiras na área da comédia.
Desta vez temos o senhor Jorge Palinhos a reflectir sobre o NaNoWriMo (quem ainda não souber o que é procure em posts anteriores porque é coisa que não falta neste blog). 

 

«O evento minimiza, na verdade, a literatura à sua quantificação numérica e reduz a escrita ao acto mecânico, sendo indiferente à reflexão prévia e revisão posterior que escrever implica, e ao diálogo cultural e artístico que a literatura séria procura estabelecer»


Caro Jorge Palinhos. Estimo muito a sua escrita que nunca li e as suas aulas a que nunca assisti. Acredito piamente que seja muito bom naquilo que faz mas agradecia carinhosamente que não desse bitaites sobre o NaNoWriMo.
Sim o objectivo é escrever 50 mil palavras em 30 dias, sim a maior parte desses textos não prestam sequer para acender uma lareira MAS são exercícios de escrita. Diga-me lá, quando andava na faculdade, em quantas horas escrevia um trabalho? Ou quantos dias demorou a escrever o seu livro? (escreveu algum certo? é que não me apetece ir à sua procura ao Google). 
Agora passando a outro tipo de questões, este mais académico, o que é literatura séria?

 Até o Google tem dificuldade em encontrar respostas, sendo a que mais se aproxima é ali o último link, que com muito gosto visitei. Ali encontrei uma citação maravilhosa que passo a transcrever: 

Ora, que futuro pode ter a forma de indagação e de expressão a que chamamos literatura num espaço comunicacional tomado por exércitos de entertainers empenhados em difundir a surdez, a poluição lexical e a desinteligência? Que a literatura teria um papel central em tão necessária despoluição da língua, parece ser inquestionável. Mas é mais do que evidente que a presente invisibilidade do escritor torna esse desígnio tão irrealista como o de purificar um Atlântico de fezes com dois cálices de cloro. Neste contexto, é inevitável perguntar: estará a literatura séria condenada à extinção por falta de leitores, perdida na torrente de trivialidade que inunda e monopoliza o espaço da atenção pública?

José Miguel Silva, Divagações sobre o futuro da literatura numa era de ignorância programada e pré-apocalíptica, in CÃO CELESTE, Abril 2012
 

«O que é uma literatura séria? É como “no antigamente” em que existiam mulheres sérias e putas? E se assim é não convivem todas no bordel da fnac?»

 

Agora regressando ao NaNoWriMo, vou falar num tom sério. Este mês serve como um exercício e para muitos participantes é uma forma de se obrigarem a produzir algum texto, nem que seja apenas o outline. 
Também o concívio entre os participantes é estimulado de forma a que não seja algo vivido em isolamento. Se quer saber o quão bom é morrer durante 30 dias, junte-se a nós que temos cupcakes, póneis, ninjas, chapéus estranhos e peluches e depois no fim escreva outra coisa para o P3 ;)

 

Cumprimentos
Alexandra Rolo
NaNoWriMo addicted since 2009

 

Links: P3, blog citado 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.