Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



The Birth of the Museum

por Pantapuff, em 25.10.12

Título: The Birth of the Museum 
Autor: Tony Bennet

Goodreads

Mais uma leitura da área da museologia. Tony Bennet apresenta-nos uma série de estudos de caso de vários museus e exposições à medida que fala sobre a história destes espaços públicos criados para todos como forma de combater os momentos que muitos homens passavam nos cafés a consumir álcool.
Não é uma leitura que vai agradar a qualquer pessoa mas para quem está na área é interessante ver as ideias por detrás da criação dos museus em várias zonas do globo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:55

Vou fazer uma petição...

por Pantapuff, em 17.02.12

Todos os dias recebo mails para assinar uma petição. Começo a pensar em eu mesma fazer uma para acabar com tanta coisa destas. 

Mais de metade não exigem o número de identificação (BI) pelo que podem facilmente ser "falsificadas".

Vá minha gente, vamos lá arranjar qualquer coisa de útil para fazer em vez de andar a brincar às petições.

 

Beijinhos e abraços

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:47

Lei das passadeiras

por Pantapuff, em 02.03.10

"... pode vir a ser posta em prática."

 

 

Ou seja, o senhor polícia que foi hoje à SIC ainda não sabe bem se vai haver multas ou não.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:39

PORDATA

por Pantapuff, em 27.02.10

A PORDATA é a mais recente base de dados do Portugal Contemporâneo.

Nesta base de dados podemos encontrar estatísticas criadas pela Fundação Francisco Manuel dos Santos.

A busca pode ser facilmente efectuada com palavras-chave como se faz nos variados motores de busca.

Assim quem precisar de alguns valores já não ter de procurar no INE (o que dá uma trabalheira...) e está mais acessível.

O site é simples e bem organizado.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:06

Globalização, o eterno debate

por Pantapuff, em 13.06.09
Globalização…já foi? Está a ser? Ainda vai ser? Não existe? Começou em 1415? Em 1500? Em 1571? Século XXI? Sempre existiu? …
São várias as questões que alimentam o debate sobre a globalização. A primeira questão colocada é: o que é a globalização? Esta pergunta apesar de parecer fácil, após reflectirmos vê-se que afinal é um verdadeiro problema. Todos sabemos quais são as suas características, mas e definir globalização? Vamos então começar pelas características. Os avanços tecnológicos, facilidade e velocidade de comunicação, intercâmbios entre culturas, etc. hoje em dia temos a internet, os satélites, os telemóveis, … mas será que o século XXI é o século da globalização?
Então e se eu recuasse no tempo uns anitos e afirmasse que o nascimento da globalização aconteceu em 1571, quando Espanha fez de Manila um entreposto comercial ligando a Ásia e as Américas? Era uma ligação entre dois pontos afastados do globo.
Se for por este ponto de vista posso recuar mais uns 71 anos, e dizer que a descoberta de Vera Cruz (Brasil) no ano de 1500 foi o início da globalização. Nesta altura já podemos ver os grandes avanços tecnológicos da época e facilidade de comunicação. Assim caso arrumado e este foi o início da globalização.
Mas sendo assim podemos recuar até 1415, à conquista de Ceuta, o marco português que marca o início da expansão portuguesa. Ainda assim, do ponto de vista das expansões podemos recuar ainda mais até ao império Mogol. No entanto se falarmos com um historiador ou antropólogo eles podem dizer-nos, e com razão, que o início da globalização foi na pré-história quando ocorreu a primeira migração dos homo sapiens.
Afirmar isto é o mesmo que dizer que a globalização é inerente ao ser humano e por isso tecnicamente não existe e não há necessidade de o estudar, pois deste modo a história da globalização ou a história global não tem razão de ser pois é o mesmo que a história universal.
Outro problema que se coloca é qual será o epicentro da globalização? Este é outro bicho-de-sete-cabeças cujas possíveis respostas seriam algumas das zonas que mencionei acima, Portugal, África, Ásia, etc.
No fundo as respostas vão depender da pessoa a quem perguntarem. Pois cada um dará a sua resposta consoante a sua área / época de estudos.
Na minha opinião a globalização é algo que sempre existiu e que está agora no século XXI a atingir o seu pico. Quanto ao fim da globalização não vejo qual será uma vez que é muito difícil que se perca a ideia de “aldeia global” que temos hoje graças aos novos meios de comunicação e às reinvenções tecnológicas que nos chegam quase diáriamente.
Em relação ao estudo da história da globalização ou da história global, eu acho que é algo que tem a sua pertinência uma vez que vai estudar única e exclusivamente os fenómenos que levaram aos nossos dias. E sim irá tocar na história da expansão, das dinâmicas imperiais etc.
Mas não concordo com as pessoas que dizem que não vale a pena ser estudado só porque já sabemos que existe e poruqe será abordado noutros estudos. Se formos por esse ponto de vista então não estudamos muita coisa porque já sabemos que ela lá está e porque é abordada noutros estudos.
Gostava de saber as opiniões dos meus leitores e como sempre responderei aqui ou via twitter é só uma questão de estarem atentos ;)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00



Alexandra Rolo | Pantapuff

Capturar.PNG


Nascida em 1989, em Lisboa e com uma infância marcada por demasiados filmes de ficção científica é formada em História Moderna e Contemporânea (ISCTE-IUL), História Religiosa (FLUL) e Gestão Cultural (ISCTE-IUL). Conhecida online enquanto Pantapuff, é blogger desde 2005 e tem colaborado em diversos projectos online, normalmente ligados às áreas da literatura (fantástica e FC) e da internet. Hoje faz do online a sua vida, trabalhando como gestora de redes sociais. Youtuber, bookworm, cosplayer, nerd, Potterhead e Whovian assumida é normalmente vista de phones, telemóvel, iPad e Kindle. O seu maior medo é ficar sem bateria ou perder o acesso à internet.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.