Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Screenshot_12.png

 Título: O Ritual da Sombra

Título original: Le Rituel de L'Ombre
Autores: Eric Giacometti e Jacques Ravenne
Publicações Europa-América

Goodreads

Como todos os bons mistérios, também este começa com uma morte. Toda a história gira em torno de uma irmandade nazi (Thule) e da maçonaria. Antoine Marcas é um comissário da polícia que é maçon e Jade Zewinski investigam a morte de uma arquivista que tinha em sua posse documentos importantes relativos a um estranho ritual (o ritual da sombra).
É uma leitura bastante agradável e leve mas que tem duas coisas que me chatearam um bocado:
1- ausência de sexo. Isto é: o sexo está lá, mas por alguma estranha razão os autores preferiram inserir a palavra "gemer" e cortaram o resto.
2- a justificação para o nome da personagem Sol é porque o senhor tinha visto uma inscrição romana a dizer «Mithra, sol invictus». A expressão Sol Invictus já existia antes de ser associada a Mithra, mas vá... ganham alguns pontos por terem escrito o nome correctamente (mas os tradutores podiam ter tirado o "h").
Se gostam de mistérios/policiais com teorias da conspiração este é um livro a ter nas prateleiras (por favor não comparar com Dan Brown).

Sinopse: Roma. Um arquivista do Grande Oriente é assassinado na altura de uma festa na embaixada francesa, cumprindo um ritual que evoca a morte de Hiram, o lendário fundador da Maçonaria. 
Em Jerusalém, um arqueólogo que tem na sua posse uma enigmática pedra gravada tem uma morte semelhante. O comissário Antoine Marcas, mestre mação, e a sua parceira, Jade Zewinski, são confrontados com assassinos de uma irmandade nazi, a Sociedade Thule, oponente ancestral da Maçonaria.

Sessenta anos após a queda do Terceiro Reich, os arquivos dos mações, que haviam sido roubados pelos alemães em 1940, continuam a fazer o sangue correr…
Mas que segredo intemporal estará escondido entre aquelas folhas amarelecidas?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:13

Seitas e religiões

por Pantapuff, em 18.04.08
Desde a “cristianização do mundo” que as coisas ficaram um bocado diferentes. Os pagãos ficaram conhecidos como bruxos e os bruxos como adoradores do Diabo. Aqui existe um pequeno problema…os pagãos não acreditam no Diabo. Esta entidade também não existia antes do cristianismo, hum… Outro problema é que para a maioria das pessoas toda e qualquer religião que não acredite num Deus é considerada seita. Ora vamos lá ver, Wicca é uma religião nep-pagã que acredita numa Deusa que tem um consorte (o Deus). Será Wicca uma seita? Ou será uma religião? Digo-vos com toda a certeza de que é uma religião. Este é um tema que dá “pano para mangas” como se costuma dizer, mas fico-me por aqui. Deixo-vos agora as definições que encontrei no meu dicionário das palavras do título: Seita: s.f. Doutrina que se afasta da opinião geral. Facção. Partido. Bando. Religião: s.f. Culto tributado a divindade. Fé, convicções religiosas. Doutrina religiosa. Fé: s.f. A primeira das três virtudes teologais. Crença absoluta. Crédito. Confiança. Doutrina: s.f. Conjunto de opiniões de escola literária ou filosófica, ou de uma religião. Rudimentos da fé cristã. Culto: S.m. Religião. Cerimónias religiosas.Divindade: s.f. Essência, natureza divina. Ser divino.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:04



Alexandra Rolo | Pantapuff

Capturar.PNG


Nascida em 1989, em Lisboa e com uma infância marcada por demasiados filmes de ficção científica é formada em História Moderna e Contemporânea (ISCTE-IUL), História Religiosa (FLUL) e Gestão Cultural (ISCTE-IUL). Conhecida online enquanto Pantapuff, é blogger desde 2005 e tem colaborado em diversos projectos online, normalmente ligados às áreas da literatura (fantástica e FC) e da internet. Hoje faz do online a sua vida, trabalhando como gestora de redes sociais. Youtuber, bookworm, cosplayer, nerd, Potterhead e Whovian assumida é normalmente vista de phones, telemóvel, iPad e Kindle. O seu maior medo é ficar sem bateria ou perder o acesso à internet.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.