Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Não se pode falar...

por Pantapuff, em 07.07.15

keep-calm-and-shhh-46.png

Já não se pode comentar um post público no facebook, não se pode partilhar uma opinião, não se pode ter um debate. Nunca pensei ver tamanha peixeirada por causa de um post no meu perfil pessoal que já leva a queixas ao SAPO blogs.

Lamento informar que um post sendo público pode ser partilhado e foi isso mesmo que fiz, partilhei, comentei uma situação. Triste é ver que há quem não aguente ler algumas coisas que ainda por cima nem eram nada de muito polémico. Nunca pensei ter tanta importância na vida de alguém, mas também nunca pensei ver uma nova editora acabadinha de abrir, fazer tamanha peixeirada fazendo com que meia bloggosfera olhe para eles e comece a torcer o nariz.

Somos todos Charlie, somos todos adeptos da liberdade de expressão mas muitos acham que isto de ser livre de se dizer as coisas deve ser q.b. como o sal e a pimenta na cozinha.

Sei que não infringi regras nenhumas nem publiquei nada que seja privado.

Para quem quiser conhecer as condições de utilização do SAPO aqui ficam:

Condições de utilização - Blogs

O que posso e não posso fazer no SAPO Blogs (Resumo)

- Pode publicar as suas ideias, pensamentos e opiniões sob a forma de posts, textos ordenados cronologicamente que podem incluir links e chamadas de outros conteúdos (imagens, vídeos, etc.).

- Pode definir a privacidade das suas publicações e blogs, de maneira a limitar o acesso público aos mesmos.

- Pode gerar, a qualquer momento uma cópia com o arquivo dos seus posts.

- Não pode alojar conteúdos sobre os quais não detenha os respetivos direitos de autor e conexos. O uso de excertos de obras cobertas por direitos de autor deve ser sempre acompanhado da identificação da sua autoria e origem.

- Não pode publicar conteúdos que explorem ou atentem contra a dignidade humana, que incentivem à violência ou que possam ser considerados ameaçadores.

- Não pode publicar conteúdos que contenham dados pessoais de terceiros, incluindo informações de contacto (email, telefone, morada, etc.), sem a sua permissão explícita (mesmo que sejam do conhecimento público).

- Não deve colocar conteúdos públicos que identifiquem ou visem diretamente menores, mesmo que disponha da permissão dos pais. Estes conteúdos devem ser sempre de acesso privado e omitir dados identificativos.

- Não pode publicar conteúdos pornográficos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:31

Uma carta aos doutores da verdade

por Pantapuff, em 03.07.15

Caros senhores doutores da verdade,

Vivo num país livre, vivo numa democracia. No entanto algumas pessoas acham que são donas da verdade absoluta e que mandam no que os outros devem pensar e dizer. Agradecem sempre as nossas opiniões mas agradecem também que seja pedida permissão antes de as dizer publicamente.

 

Hoje, após partilhar uma capa de uma editora, no meu perfil pessoal, com um post que dizia que as pessoas deviam enviar candidaturas espontâneas para o lugar de designer das capas, aconteceu algo interessante. A mesma editora enviou-me uma mensagem privada a dizer que eu estava a difamá-los e que deveria retirar o post. Educadamente disse que não. É a minha conta pessoal e sou livre de expressar as minhas opiniões.

Foi-me então explicado que a minha opinião é inválida já que deveria primeiro perguntar e depois tecer comentários (algo que fiz. Tinha perguntado se aquela era capa). Foi então explicado também que o caso seria entregue aos advogados da empresa caso eu não removesse o post.

Bem, não é a primeira vez que levo com malta assim. Só acho interessante quando são os pequenos que pouco ou nada importam ao mundo que se ralam imenso quando eu de forma estruturada e fundamentada faço uma crítica no meu espaço pessoal.

Devo ser super importante na vida destas pessoas para me darem tanto crédito assim, tanto ao ponto de perderem tempo a censurar as opiniões dos outros só porque não lhes batem palmas.

Não me interessa se são uma pequena editora se são os maiores do mundo, se são portugueses, brasileiros ou chineses. Eu faço os meus comentários de forma fundamentada e conhecendo bem os trabalhos realizados tanto em Portugal como fora. Se vocês têm problemas em receber críticas então estão no ramo errado ou então estão mal habituados. Isto é a vida real, não é a vossa mãe a dizer que tudo é uma obra de arte.

Acredito que cada um é livre de expressar as suas opiniões e desde que sejam fundamentadas devem ser vistas como uma forma de aprender um pouco mais e crescer. Quando não é possível ter uma conversa racional, inteligente e educada então têm problemas maiores do que apenas não ouvir as verdades...

Lamento imenso ser uma pedra no vosso sapato.

Atenciosamente,

A gaja que não se cala.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:40

Foi ontem que eu e a Beatriz fomos ao programa Boa Tarde, da SIC. Fomos convidadas para uma conversa informal sobre procrastinação e já tínhamos respondido a diversas questões, sobre os mais diversos aspectos das nossas vidas, a um jornalista que nos tinha contactado.
Foi giro estar um pouco com a Beatriz, (antes da nossa entrada no programa) e conversar sobre os nossos mais recentes projectos.
Infelizmente o que acabou por acontecer, em directo, foi que tudo foi conduzido de forma a que a psicóloga presente pudesse falar da procrastinação como algo negativo na vida das pessoas, quando não foi isso que nos tinha sido dito via telefone.
Quando a psicóloga parou de falar ainda pensei que tanto eu como a Beatriz tivessemos a oportunidade de falar do outro lado da procrastinação. No entanto ficou tudo por ali. O feedback que tive de várias pessoas que viram o programa e que me conhecem foi que: se não me conhecessem pensavam que eu não fazia nada da vida.
O lado negativo da procrastinação já vimos ontem... o lado positivo. Sim, isto de procrastinar tem o seu lado positivo porque muitas vezes, ao adiar tarefas que nos causam tédio encontramos coisas que gostamos de fazer e vemos as nossas vidas a passar um pouco para isso. Eu pessoalmente encontrei nas redes sociais uma forma de aprender coisas novas todos os dias. O facebook é para mim, mais que uma forma de procrastinar, é uma forma de tornar as minhas ideias realidade, e hoje a minha vida profissional passa por estar presente nesta plataforma. Impressionante como, uma vez mais, deram a volta às redes sociais para mostrar como era apenas uma forma de perder tempo... Moving on... A criação deste blog aconteceu um pouco por acaso mas hoje é uma forma de expressar as minhas opiniões e ideias e ajudou-me a crescer enquanto pessoa ao ensinar-me que posso ter uma voz e que não preciso da aprovação de todos os que me rodeiam para viver a minha vida.
Mais importante ainda: sem os meus momentos de procrastinação não existia a Nanozine. A pequena fanzine cujo primeiro número saiu em 2011 e conta hoje com 9 números (o 10º está quase aí). 
Como diz a Beatriz: "procrastinar também é viver" e é pena que só tenha sido mostrado um lado da coisa...
Lamento se alguém ficou ofendido com este texto. Se isso acontecer podem deixar as reclamações na secção de comentários.
Obrigado

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:22

Review de "Diário de uma Pagã"

por Pantapuff, em 31.08.12

O Frazão só deu duas estrelitas (ohhh) mas oh well... é a vida e não se pode agradar sempre, não é?

Não sendo grande fã de poesia, admito que houveram alguns poemas desta obra que me agradaram. Por exemplo:

Cada lágrima guardada
sem cair de meus olhos
são como facas
cravadas cada vez mais fundo
em meu coração partido

Os restantes, obviamente, foram feitos por alguém e para alguém com mais sensibilidade do que eu.


link da review aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:16

Sou filha de pais ricos e não sabia

por Pantapuff, em 29.08.12

«Os novos passes para estudantes vão ter descontos que variam entre os 25 e os 60%, mas só poderão ser requeridos por crianças e jovens de famílias cujo rendimento médio mensal seja igual ou inferior a 503 euros.» (JN)

Querem que as pessoas utilizem os transportes públicos, querem que os jovens estudem então o melhor é tirar as poucas ajudas que os estudantes têm e criar emprego tá quieto ao prego.
Assim vamos longe vamos. Eu vou passar a pagar 50€ por mês de passe e só tenho autocarro e metro, outros colegas vão começar a pagar 80€ e outros muito mais. Com certos empregos a pedir horários a full-time ou rotativos, muitos jovens não conseguem juntar estudos e trabalho e outros com part-times a receber menos de 300€ mal conseguem pagar as propinas e os transportes, sim porque as bolsas são cada vez mais reduzidas e muitas vezes mal atribuídas.
Estamos num país de doutores que em nada ajuda os que querem estudar. Depois admiram-se que o pessoal faça as malas e leve daqui o dinheiro, admiram-se que a taxa de abandono escolar aumente a cada ano que passa e as médias venham mesmo a descer.
Compreendo que tenham de ser tomadas medidas para ultrapassar esta crise, o que não percebo é porque raio tiram ainda mais dinheiro aos pobres. Mas pronto, eu hoje descobri que sou de uma família rica. Vou largar já o trabalho, comprar um carrito e contratar um motorista. Depois peço ao senhor para me levar até uma privada qualquer, faço uma licenciatura em 6 meses, vou para ministra e ainda arranjo maneira de cortar ainda mais uns ordenados ao pessoal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:41



Alexandra Rolo | Pantapuff

Capturar.PNG


Nascida em 1989, em Lisboa e com uma infância marcada por demasiados filmes de ficção científica é formada em História Moderna e Contemporânea (ISCTE-IUL), História Religiosa (FLUL) e Gestão Cultural (ISCTE-IUL). Conhecida online enquanto Pantapuff, é blogger desde 2005 e tem colaborado em diversos projectos online, normalmente ligados às áreas da literatura (fantástica e FC) e da internet. Hoje faz do online a sua vida, trabalhando como gestora de redes sociais. Youtuber, bookworm, cosplayer, nerd, Potterhead e Whovian assumida é normalmente vista de phones, telemóvel, iPad e Kindle. O seu maior medo é ficar sem bateria ou perder o acesso à internet.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.