Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




“Vestidos de Céu”

por Pantapuff, em 10.04.08
Eu sei que este título vos pode parecer estranho, mas já vão perceber o porquê desta escolha…
Ora bem… um dia destes quando estava nas minhas leituras encontrei a expressão “vestidos de céu” que se referia ao facto de algumas pessoas não utilizarem roupa nas práticas da sua religião (sim religião, não é nenhuma seita, mas isso é tema para outro dia). Achei imensa piada à expressão daí este post…mas não me fico por aqui.
A questão que me assombrou o espírito desta vez foi a seguinte: qual é o problema de andarmos despidos? Sinceramente não percebo. Nós nascemos vestidos? A resposta é, obviamente, NÃO. Agora digo, se nascemos sem roupa porque temos de a usar depois de sair das barrigas das nossas mãezinhas?
Agora percebo os nudistas, eles é que são espertos e acabam por poupar dinheiro nos fatos de banho durante o Verão. Lol
Mas vamos ver a história… os Tupis não usavam roupa antes de o Pêro Vaz Caminha e mais um monte de portugueses lá ir meter o nariz e eram muito felizes com as suas “vergonhas” à mostra…além de que poupavam imenso tempo porque não tinham de fazer roupas para as tribos… existem mais exemplos ao longo da história do mundo, mas não creio que valha a pena mencionar.
Foi a tradição judaico-cristã que impôs esta norma, pois é feio ter as “vergonhas” (como dizia P. V. Caminha na sua Carta a El-Rei sobre o “achamento do Brasil”, acho que é assim), esta foi uma tradição que ainda existe nos nossos dias como se pode ver (lol).
Será que algum dia as mentalidades vão mudar e vai surgir um novo Iluminismo e as pessoas vão todas deixar de usar roupa? Sinceramente…espero que tal não aconteça, pois isso seria definitivamente o fim do mundo. Não me interpretem mal, eu disse isso pois se ninguém usasse roupa num futuro próximo ia morrer tudo, é a roupa que nos protege tanto do calor como do frio…os nossos corpos não estão habituados a viver sem ela (lol).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:41



2 comentários

Sem imagem de perfil

De Dextro a 09.04.2008 às 19:51

Sim, já para não falar que certas "vergonhas" podem ser francamente assustadoras
Sem imagem de perfil

De Shiva_the_wizard a 10.04.2008 às 19:33

Na minha opinião o uso ou não de roupas deve-se à cultura e normas sociais do grupo em que nos inserimos. Para mim a virtude está em entendermos essas mesma normas e culturas.
Porque usamos roupas? Porque a corrente defendida pelos judaico cristãos assim o ditou, como tão bem disse a blogger Alexandra Rolo. No entanto, em tantos outros lados deste nosso mundo continuam a existir culturas tão diferentes da "nossa" que permitem adultos e crianças circular livremente nuas na rua sem qualquer pudor. Finalmente gostaria de lembrar que é pelo facto de por vezes não termos a capacidade de nos entendermos uns aos outros que existem tantas guerras no nosso mundo. Por exemplo, muitas pessoas apelidam as religiões que lhes são alheias de ceitas, a grande maioria das vezes erradamente dando uma conotação demasiadamente negativa ás mesmas.
Lembrem-se que somos todos humanos e que todos partilhamos o mesmo céu. Todos choramos, todos rimos, todos nos zangamos e acima de tudo todos nós amamos.

Comentar post



Alexandra Rolo | Pantapuff

Capturar.PNG


Nascida em 1989, em Lisboa e com uma infância marcada por demasiados filmes de ficção científica é formada em História Moderna e Contemporânea (ISCTE-IUL), História Religiosa (FLUL) e Gestão Cultural (ISCTE-IUL). Conhecida online enquanto Pantapuff, é blogger desde 2005 e tem colaborado em diversos projectos online, normalmente ligados às áreas da literatura (fantástica e FC) e da internet. Hoje faz do online a sua vida, trabalhando como gestora de redes sociais. Youtuber, bookworm, cosplayer, nerd, Potterhead e Whovian assumida é normalmente vista de phones, telemóvel, iPad e Kindle. O seu maior medo é ficar sem bateria ou perder o acesso à internet.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.