Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Chorar nas redes sociais

por Pantapuff, em 27.01.15

Estava eu a trabalhar quando olho para o outro monitor e vejo:

Untitled-1.png

Obviamente e identidade do autor de tal maravilhoso lamento está oculta porque sou uma fofurinha.

Aqui vemos a mania que a malta tem de chamar de amigos a todos os que tem adicionados no facebook. São contactos! Eu não considero todos meus amigos (sou esquisita com quem coloco nessa lista).

Realmente 30 cliques em 700 amigos é chato... mas cliques? Não é likes? E eu só tinha visto 18 likes será que alguém fez unlike entretanto? (Sei que entretanto o número de likes cresceu que foi uma coisa parva).

Agora vamos à parte gira... Quer usar a conta pessoal para "apregoar" coisas? Talvez o melhor seja abrir uma página, juntar umas campanhas e poof assim tem mais gente a fazer likes, a ler, comentar e essas coisas todas.

Lamento informar esta pessoa que o seu CV pessoal não me impressiona e que prefiro seguir mais atentamente historiadores que produzem material. Depois é como tudo na vida... também o Facebook filtra os utilizadores que acha que são menos relevantes e dão-lhes menos destaque nos feeds.

Agora andar a chorar na conta pessoal que ninguém lhe liga ponta de corno quando metade dos posts são enormes... é de rir. É triste, na verdade, mas dá vontade de rir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:39

Blogosfera: Sofia Teixeira (Bran Morrighan)

por Pantapuff, em 26.01.15

Olá a todos!

Os mais atentos sabem que, no ano passado, eu tentei criar uma série de entrevistas a bloggers que acompanho, no entanto a vida meteu-se pelo meio e depois tudo o resto...
Este ano ando a dar a volta a casa e a dar ordem a este caos que tem marcado a minha presença nas várias redes, incluindo aqui o blog. Aos poucos tudo se tem organizado e agora chegou a altura de voltar ao plano das entrevistas. Todos os meses irei tentar apresentar um blogger e dar-vos a conhecer um pouco mais sobre o que acontece no background da bloggosfera.

 

 Quem anda nestas coisas dos livros e acompanha blogs é quase impossível não conhecer o Bran Morrighan. Um blog escrito pela mão da Sofia Teixeira que, durante o último ano fez a transição que eu já há muito estava à espera.

 

Vamos lá ver se não me esqueço de nada: Estudante, professora, jogadora de basket, blogger, repórter, … pareces ser a mulher dos sete ofícios. Mas conta-nos lá afinal quem é a Sofia Teixeira?

A Sofia Teixeira é uma miúda de 26 anos que tem uma sede de vida inacreditável. Passo a vida a discutir com ela, não tens noção (risos). Bem, dá para imaginar a quantidade e diversidade de pensamentos que por vezes competem com a minha atenção não dá? No fundo, a Sofia Teixeira é uma mulher que quer preservar a capacidade de olhar para o que a rodeia como se fosse a primeira vez, como quando somos crianças e começamos a descobrir cada um dos nossos cinco sentidos – com deslumbramento e ao mesmo tempo cautela, tendo sempre a noção que só eu, por mim mesma, poderei descobrir aquilo de que gosto e de que não gosto.

 

O BranMorrighan começou como um espaço pequeno sobre neo-paganismo, daí passou a pequeno diário pessoal e como se deu o salto para o blog de referência da esfera literária?

Acho que se soubesse responder a esta questão significaria que tudo teve um propósito ou um fio condutor, coisa que não aconteceu. Acho que o mais perto que consigo de tentar explicar o que, para mim, ainda é uma espécie de fenómeno, é que com o tempo eu cresci e comigo também o BranMorrighan cresceu ao tornar-se uma extensão, uma projecção virtual de algumas facetas reais minhas. Não é falsa modéstia quando digo que ainda hoje não encaixo completamente em mim essa categoria de “referência da esfera literária”. Não querendo ser mal agradecida por quem me tem considerado tal, não sei se as pessoas têm noção que todo o trabalho literário é feito por apenas uma pessoa. Dizerem que o BranMorrighan é uma referência é dizerem que a Sofia Teixeira é uma referência e isso, para mim, não se coloca. Não me vejo como uma referência literária; não tenho formação na área, não tenho uma escrita espectacular, tenho apenas uma paixão pelos livros que é comum a muita gente, eu apenas sou louca o suficiente para o expressar abertamente mesmo que não vá de encontro aos gostos dos outros. Se ser atrevida, ou corajosa, pode ser sinónimo de referência, então aí bate certo

 

Sabes que te acompanho há alguns anos e tenho visto o teu blog crescer. No último ano o teu blog cresceu e alterou-se. Como está a correr esta aventura no mundo da música?

Um ano... Sim, precisamente um ano! O tempo passa num instante! Sabes, é um mundo completamente diferente da literatura. Muito mais dinâmico, muito mais a acontecer a todo o momento, é de loucos. Só a semana passada tive a oportunidade de ver três concertos e faltei a outros três – todos em Lisboa – só a título de exemplo. Mas voltando à questão principal, está a correr muito, muito bem. A música, a par com a literatura, por vezes mais, sempre teve uma grande importância na minha vida. Todos passamos por aquelas fases de adolescente em que andamos viciados com os leitores de cassetes, ou com os discmans, e os headphones, volume no máximo e é rebeldia por todos os poros. Digo eu; eu passei por essa fase, a fase do punk, do metal, para depois estabilizar num mar de sons tão eclético como inclassificável. Conhecer artistas que admiro há anos, sentar-me a conversar com eles, poder ir a muitos mais concertos por, felizmente, conseguir entrar como imprensa, bem, não podia pedir mais, pois não? Tenho conhecido pessoas inacreditavelmente tão talentosas como magníficas enquanto seres humanos. Estou mesmo muito feliz.

Como é que a fotografia entrou na tua vida?

Lembras-te do evento no Auditório Orlando Ribeiro? O meu primeiro evento com literatura e música? Ainda nem tinha noção do que andava a fazer... Acontece que tinha um amigo meu, com a máquina de outro amigo que a tinha emprestado, a tirar umas fotografias. No fim, deixou-me a máquina para eu devolver ao meu amigo. Quando a ia devolver, ele falou-me que estava a pensar vendê-la, por querer comprar uma melhor. Bem, tornou-se na minha primeira máquina. Uma Canon 450D, com uma lente de 50mm f1.8, que rapidamente se tornou noutra extensão de mim. Nunca tinha fotografado na vida nem sabia se me iria conseguir entender com a máquina, até que um dia vi que os You Can’t Win, Charlie Brown iam tocar na FNAC do Chiado, num show case, e decidi levá-la. Terríveis as fotos! Passado pouco tempo, essa mesma banda, fez uma temporada de três dias no Musicbox. Tanto a banda como o local viriam a tornar-se tão especiais para mim que é inimaginável. A banda porque, para além de os admirar enquanto músicos e grupo, tornou-se no meu primeiro projecto fotográfico. Fiz n experiências durante aqueles dias e foi quando me tornei companheira da máquina, sem grande brigas, só uma grande curiosidade. O local porque é onde mais fotografo – mesmo sendo um local complicado por o ISO da minha máquina ser no máximo de 1600 – e porque veio ser a primeira casa a albergar um primeiro evento puramente musical do meu BranMorrighan. Não me considero, de todo, uma fotógrafa e muito menos uma boa, mas sim, tem sido uma boa aventura

 

Sei que a tua noção de tempo livre é um bocado diferente da maioria das pessoas, mas tenho de perguntar: como os ocupas?

Hum. Ok, disse-te que ia responder a esta entrevista com as primeiras coisas que me viessem à cabeça, mas esta é complicada. É assim, o blogue é algo que faço nos tempos livres e nos tempos a que forço que sejam livres. Tentando ainda assim responder ao que me perguntas, acho que esses tempos livres podem ser aqueles em que escolho fazer todas essas , e mais algumas, sem que esteja directamente relacionado com todas as minhas actividades. Ou seja, eu adoro ir ao Porto, ou a Leiria, só por ir. Ir a Paredes de Coura no Verão então é certinho direitinho. E gosto quando é decidido assim, em cima da hora. Levo na mesma o meu livrinho, o pc vai de arrasto por descarga de consciência, mas nesses dias só quero estar com as pessoas. É isso! A resposta é mesmo esta – nos meus tempos livres gosto de me encontrar e de estar verdadeiramente com as outras pessoas. Quer estejam relacionadas ou não com o que costumo fazer, sabe bem trocar ideias, passear, ir ver uma peça ou sentar-me debaixo de uma árvore qualquer a apanhar sol e ver o rio ou o mar. Sempre que posso, é para esses sítios onde tenho um maior contacto com as pessoas e a natureza que me refugio. Parecendo que não, tudo o resto, mesmo quando lido com dezenas de pessoas diariamente, é bastante solitário.

 

A pergunta complicada... o nosso país é tão pequeno e toda a gente se conhece. Como é a tua relação com outros bloggers?

Ahahah, ora aí está a pergunta de um milhão. Falas-me de bloggers de música ou de literatura? É que também esses são diferentes uns dos outros, não sei, deve ser dos sentidos que despertam também serem diferentes ou terem diferentes intensidades. No geral, dou-me bem com aqueles que me são mais próximos e não o escondo. É fácil as pessoas perceberem de quem eu gosto ou com quem convivo mais porque sou uma pessoa expressiva. Depois existem os restantes, que respeito. Quer goste ou não das pessoas, respeito o que fazem... Ou o que tentam fazer. Estou nisto da blogosfera há mais tempo do que a maioria. Já vi muitos blogues a serem formados, outros tantos a desaparecer e ainda mais aqueles que acharam que tinham algo a dizer e depois acabaram por não dizer nada. Aqui o simples é que eu escolho as pessoas com que me dou e, tal como eu respeito as escolhas dos outros, só posso esperar que respeitem as minhas.

 

E planos para o futuro?

Há quem use a expressão “um dia de cada vez”, eu já desisti , uso a expressão “uma hora de cada vez”. Neste momento estou a acabar de responder às tuas perguntas e a imaginar a quantidade de haters e copy cats que me estão a chamar nomes ao lerem a resposta anterior. (risos) Depois disso tenho um relatório de doutoramento para terminar e ainda uma série de outros assuntos académicos para tratar. Bem, é sempre tudo uma incógnita não é? Eu não sei o que vai acontecer no futuro, mas sei o que quero sentir no futuro – uma realização e gratificação idênticas, ou mais fortes, às que senti neste último ano. Foi um ano muito exigente, normalmente só dou a conhecer as coisas boas, as más nem por isso, mas valeu a pena. De imediato vou ter nova Festa de Aniversário no Porto e, não querendo prometer datas concretas, lá para o final de Fevereiro ou Março, o lançamento da colectânea Desassossego da Liberdade. Vou ter o nosso grande Noiserv a estrear-se na literatura e o conto dele é só lindíssimo. Mal posso esperar!

 

Foto: Vera Marmelo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:30

School's Out—Forever (Maximum Ride #2)

por Pantapuff, em 26.01.15

Screenshot_3.png

 Título: Scool's Out - Forever
Tradução: Adeus à Escola
Série: Maximum Ride
Autor: James Patterson
Goodreads

Depois de uma pausa para para ler o The Magician's Nephew, retomei a minha aventura pela mão de James Patterson.

Max continua a sua saga entre fazer o que lhe parece ser melhor para o grupo que lidera e salvar o mundo. Mantém-se a narrativa rápida que deixa o leitor viciado e com uma vontade louca de descobrir o que se passará a seguir.

O mistério aumenta à medida que o flock se vê em casa de uma agente do FBI e forçado a ir à escola de forma a passar despercebido. À medida que o tempo passa são mais as questões que as respostas.

A curiosidade em seguir as aventuras foi demasiado grande e por isso peguei imediatamente no terceiro livro da série intitulado: Saving the World and Other Extreme Sports.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:12

Instaweek #92

por Pantapuff, em 26.01.15

Lá se foram mais sete dias de pura alegria. Pôr coisas em dia, arrancar cabelos, ler, sofrer com dores no pé (yeah that again), chatear pessoas por dizer alto e a bom som a minha opinião sobre a sua existência... e algumas fotos no instagram :p

 

insta.png

 1. Chegou a casa o início do meu fato para o Iberanime 2015 \2. Desenho da minha próxima aventura com agulhas :D \3. Le me disfarçada para jantar com outros Potterheads \4. Massada de bacalhau *-* \5. O meu pé depois de voltar da consulta com a osteopata \6. A leitura para o desafio do fim-de-semana e que irei opinar em breve \7. Poetas nos barcos de Lisboa \8. A cor escolhida para a manicure desta semana \9. Parar um pouco para descansar e ver se as dores paravam

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:30

keep-calm-and-die-die-die-my-darling-1.png

Claro que digo isto com todo o amor e carinho... Ó MINHAS BESTAS! Vocês vieram de uma família linda e maravilhosa com um papá e uma mamã que vos adora e dizia que todos os vossos desenhos eram obras de arte? Porreiro! Eu conheço bestas semelhantes a vossas excelências que são uma merda de pais, os filhos crescem em ambientes horríveis, sem educação, com pais alcoolicos, violência doméstica... mas o que interessa isso? São o ideal não é? Um homem e uma mulher.

Ó minhas bestas (atenção, ocorrem-me outros nomes mas não quero insultar as mães que provavelmente não tiveram culpa das bestas de filhos que têm) é muito melhor ter milhares de crianças no sistema não é? Instituições com condições reduzidas em lugar de uma casa, um quarto só deles, duas pessoas que lhes dão amor e carinho, os ajudam a fazer os trabalhos de casa e dão um beijinho antes de dormir. Wait a second, isto é o sonho mas só se for um homem e uma mulher, dois homens e duas mulheres são aberrações da natureza? Contra os designios de Deus? O caramelo dizia que tinha de ser homem ou mulher mas não dizia que tinha de ser um conjunto de bestas incultas de QI's com níveis semelhantes aos de um peixinho dourado a mandar bitaites sobre a vida dos outros.

Tenho vergonha de dizer que vivo num país que se rege por ideais retrógrados para manter as aparências.

Juro que estas coisas irritam-me profundamente (ainda mais que os programas de fim-de-semana à tarde) e só me apetece mandar-vos todos para um belo sítio..

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:50




Alexandra Rolo | Pantapuff

Capturar.PNG


Nascida em 1989, em Lisboa e com uma infância marcada por demasiados filmes de ficção científica é formada em História Moderna e Contemporânea (ISCTE-IUL), História Religiosa (FLUL) e Gestão Cultural (ISCTE-IUL). Conhecida online enquanto Pantapuff, é blogger desde 2005 e tem colaborado em diversos projectos online, normalmente ligados às áreas da literatura (fantástica e FC) e da internet. Hoje faz do online a sua vida, trabalhando como gestora de redes sociais. Youtuber, bookworm, cosplayer, nerd, Potterhead e Whovian assumida é normalmente vista de phones, telemóvel, iPad e Kindle. O seu maior medo é ficar sem bateria ou perder o acesso à internet.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.